Praias de água doce transformam Mosqueiro em paraíso natural



Com uma área de 212 quilômetros quadrados e uma população de aproximadamente 27 mil habitantes, Mosqueiro, ou "Ilha do Amor" como é popularmente conhecida, é a maior ilha do município de Belém e atrai cada vez mais visitantes de todo o mundo.
_________________
 
Um belo lugar com ótima infraestrutura: esta é a avaliação da maioria das pessoas que visitam Mosqueiro, ilha a cerca de 80 quilômetros de Belém. A água doce do Rio Pará garante boas "ondas de maré" à ilha, que oferece mais de 17 quilômetros de praias.
O nome da praia origina-se da prática chamada "moqueio", método que os índios tupinambás, habitantes da região, utilizavam para conservar animais perecíveis sobre uma espécie de grelha de varas de pau de tucumã, em um fumeiro de lenha de muruciceiro ou maraximbé que defumava os peixes.
Com uma área de 212 quilômetros quadrados e uma população de aproximadamente 27 mil habitantes, Mosqueiro, ou "Ilha do Amor" como é popularmente conhecida, é a maior ilha do município de Belém e atrai cada vez mais visitantes de todo o mundo. Mais de 300 mil turistas visitam as praias de água doce na alta temporada, segundo a Prefeitura de Belém.
A ilha tem temperaturas amenas, ficando em torno de 30 graus durante à tarde e atingindo em torno de 25 graus durante a madrugada. As chuvas aumentam em meados de dezembro e diminuem a partir de junho, mas não há um período de estiagem bem definida.
Nas 15 praias de água doce, a beleza e limpeza do local são atrativos para o público. Paraíso, Farol, Chapéu Virado, Bispo, Baía do Sol, Areião, Marahú, Praia Grande, Prainha, Murubira, Porto Artur, Carananduba, Ariramba e São Francisco são algumas das praias de Mosqueiro.
Murubira é uma das praias mais frequentadas da ilha. A inauguração do Hotel Murubira impulsionou o movimento do local, que atualmente é um dos mais badalados de Mosqueiro. O nome da praia vem do nome da tribo que habitava o local, que, na linguagem indígena Murubira ou Morobira, significa "homem forte" ou "homem de pedra". No verão de 2012, também houve um aumento no movimento nas praias de Chapéu Virado e Farol.
A estudante sorocabana Luísa Lima está planejando sua viagem para a praia de Marahú, uma das mais recomendadas de Mosqueiro. "Olhando as imagens, fiquei encantada com a diversidade natural. Marahú tem uma bela areia branca e grossa, muito conhecida. A beleza e tranquilidade do local também são invejáveis, além da maravilhosa comida típica".
A infraestrutura de Mosqueiro é outro fator elogiado pelos turistas. Principalmente durante a alta temporada, a prefeitura realiza serviços para reforçar a limpeza e conservação das praias. Existe também a Unidade de Conservação, denominada Parque Municipal da Ilha do Mosqueiro, que trabalha para a fiscalização e manutenção do local.
No roteiro culinário, restaurantes oferecem comidas típicas para todo o dia. No café da manhã, as tapiocas, mingaus e cuscuz disputam a preferência dos turistas. Para o almoço, pratos à base de peixes, frutos do mar e, principalmente, camarão são os mais pedidos. No jantar, a "feijoada paraense", conhecida como maniçoba, o tacacá, caldo fino apimentado feito com goma de tapioca, e o tradicional vatapá servem os turistas.
Além dos restaurantes, as barracas de tapioquinha, tradição há mais de 100 anos, são bem frequentadas nas praias e geram renda para a população local. Há inclusive uma associação de tapioqueiras, a Associação dos Barraqueiros de Venda de Tapioca e Comida (Asbavetim).
A construção da ponte "Sebastião de Oliveira", de mais de 1.400 metros de comprimento e 10 de largura, conhecida como Belém-Mosqueiro, favoreceu o desenvolvimento da ilha, pois aproximou Mosqueiro de Belém, atraindo mais turistas pela facilidade de acesso. Atualmente, a viagem até a ilha não passa de uma hora de carro e menos de duas horas se o viajante optar pelos ônibus, que recentemente tiveram sua frota reforçada devido à demanda.
Atualmente vivendo em São Paulo, a estudante belenense Carolina Pinto exalta a limpeza e tranquilidade da ilha que conheceu durante sua viagem em julho de 2012. "A população é bem receptiva e os preços não são tão altos na praia, mas o custo de vida lá é bem caro".
O vento forte e as ondas que atingem 1,5 metros de altura, principalmente nas praias Farol, Ariramba e Paraíso, chamaram a atenção dos praticantes de kitesurf, surf, bodyboard e vela. Até os renomados velejadores Torben Grael e Robert Sheidt já experimentaram o potencial esportivo das praias, que recebem também campeonatos de surf.
Mas Mosqueiro também é um local para relaxar. O Balneário Igaracoco, próximo da Praia São Francisco, que fica isolada entre Carananduba e Ariramba, é um ponto bem frequentado por quem procura água natural represada, de baixa temperatura, para banho. Um local mais tranquilo em meio à agitação de Mosqueiro.
Leonardo Moraes (AgênciaJor / Uniso)

Notícia publicada na edição de 14/05/13 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 007 do caderno Turismo - o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.


Postagens mais visitadas deste blog

Flores da Amazônia