EXPÉCIES VEGETAIS DA AMAZÔNIA: jupatÍ - Raphia taedigera (Mart.) Mart.



  jupatÍ - Raphia taedigera (Mart.) Mart.
O desmatamento reduz a diversidade de plantas e animais, altera o regime de cheias e vazantes dos  rios e contribui para mudar o clima no mundo  inteiro. Além disso, a perda da vegetação acaba prejudicando o meio de vida de muitas pessoas  que dependem dela para seu sustento. 

O extrativismo praticado de forma sustentável é importante, pois pode gerar renda para muitas  pessoas e, ao mesmo tempo, contribuir para a conservação do Cerrado e da Amazônia, biomas que ocupam cerca de 75% do território nacional, protegendo sua diversidade de plantas e animais, as nascentes, cursos d’água e a riqueza cultural de seus  povos.
As espécies vegetais produtoras de fibras desempenham papel importante na economia familiar de muitas comunidades amazônicas, tanto com a venda de matéria prima como de produtos manufaturados.

Paneiro com farinha
Dentro desse contexto encontra-se a família Arecaceae, produtora de matéria prima na confecção de objetos trançados, construções em geral, medicina caseira, alimentação, poder mágico, etc..

A espécie Raphia taedigera (Mart.) Mart. vulgarmente conhecida como jupatí, é largamente utilizada pelas populações ribeirinhas na confecção dos diversos objetos do dia-a-dia das mesmas, principalmente o matapí para a captura do camarão. O município de São Sebastião da Boa Vista, inserido na microrrregião dos furos de Breves, pertencente a mesorregião do Marajó se destaca no confecção de diversos objetos artesanais.  

matapi - armadilha para pesca de camarão
O jupatí é uma espécie espontânea, encontrada em touceiras nas margens de rios e igarapés. Têm porte mediano, algumas chegando a alcançar 8 m de altura cujo espique, na maioria das vezes, encontra-se envolvido por restos de pecíolo e bainhas;  ráque cerca de 7 m de comprimento e pinas com 1 m de comprimento; inflorescência em espádice marrom, flores unissexuais, fruto baga ovóide, oblonga acuminada, revestida por escamas imbricadas, rombóides, brilhantes, castanho-avermelhadas. 


O pecíolo é região da planta de onde provém a tala e as fibrilas, matéria prima utilizada no artesanato. A tala é o revestimento externo do pecíolo, constituída por fibras duras, utilizada na fabricação do matapí, parí, cestas, balaios, paneiros, armações de pipas e gaiolas para passarinhos, enquanto as fibrilas são originadas da medula, que é a parte interna do pecíolo, constituída por um tecido parenquemático que envolve as fibrilas. Essas se apresentam compridas, cilíndricas, macias, amarelo-brilhantes e são usadas na confecção de chapéus, bolsas e revestimento de garrafas.

Abano decorativo





Rasas com frutos de açaí



Cangulas com armação de jupatí













Gaiolas com talas de jupatí





............................................................
Fonte:
Oliveira, J. Et AL. JUPATÍ (RAPHIA TAEDIGERA MART.): A SUA UTILIZAÇÃO POR COMUNIDADES RIBEIRINHAS DO ESTADO DO PARÁ. Disponível em: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/575004/1/1182.pdf. Aceso em 22 abr. 2014.
Imagens:

Postagens mais visitadas deste blog

Flores da Amazônia