Belo Monte ameaça nove espécies de peixes raros, aponta estudo


.................................................................................

Levantamento mapeou 819 peixes em 540 bacias hidrográficas no país. Somente na bacia do Rio Amazonas, há 184 espécies raras. A construção da usina de Belo Monte, no Pará, ameaça a existência de nove espécies de peixes raros, segundo levantamento feito por um grupo de seis pesquisadores do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da ONG Conservação Internacional (CI-Brasil). O alerta para o perigo às espécies na Volta Grande do Xingu, onde Belo Monte deve ser erguida, é apenas um dos resultados da pesquisa inédita, que identificou 819 espécies de peixes raros de água doce no país.

As espécies raras ameaçadas na Volta Grande: Aequidens michaeli; Anostomoides passionis;Astyanax dnophos; Ossubtus xinguense; Parancistrus nudiventris; Pituna xinguensis; Plesiolebias altamira; Simpsonichthys reticulatus e Teleocichla centisquama.

Com base na distribuição dessas espécies foram mapeadas 540 bacias hidrográficas consideradas como áreas-chave para a conservação dos ecossistemas aquáticos brasileiros.
Essas áreas-chave são lugares insubstituíveis que abrigam espécies de peixes que somente ocorrem lá e em nenhuma outra parte. Somente na Bacia do Rio Amazonas foram identificadas 124 microbacias e 184 espécies de peixes raros.
“Na região da Volta Grande do Xingu, temos quatro áreas críticas para conservação que possuem menos de 50% de sua vegetação remanescente”, explica Thaís Pacheco Kasecker, coordenadora de serviços ecossistêmicos do programa Amazônia da CI-Brasil.
Thaís aponta que, das nove espécies em perigo no local, duas certamente se extinguiriam com a construção da usina porque vivem em lagoas temporárias que desapareceriam com a obra.
Parancistrus nudiventis, uma das espécies ameaçadas na Volta Grande. (Foto: Reprodução)
Para as outras espécies, ainda é necessária uma avaliação de como são afetadas pela construção, já que, apesar de existirem em outras partes da Bacia do Xingu, alterações na altura da Volta Grande podem impedir seu ciclo de vida.

Segundo o estudo, apenas 26% das 540 bacias hidrográficas consideradas áreas-chave podem são razoavelmente protegidas. As áreas críticas levantadas pelos pesquisadores em todo o país abrigam 344 espécies endêmicas, ou seja, encontradas apenas em determinada região.
O estudo foi publicado nesta quarta-feira (30) na revista “PlosOne” e se baseia nas descobertas publicadas pelos ictiólogos brasileiros nas últimas duas décadas.
Fonte: Globo Amazônia
http://territorioanimal.wordpress.com/2010/07/02/belo-monte-ameaca-nove-especies-de-peixes-raros-aponta-estudo/

Postagens mais visitadas deste blog

Flores da Amazônia