Proteção ambiental dos povos da antiguidade


PARQUE NACIONAL DE BIALOWIEZA - POLÔNIA

http://flavionogueira.wordpress.com/

A ação predatória do homem sobre a terra é tão antiga quanto a sua existência. Através da história, desde a mais primitiva sociedade, podemos observar atividades causadoras de degradação ambiental.
Isto porque para produzir bens de consumo, energia, alimentação, cidades, etc., o homem recorreu à natureza, transformando seus recursos naturais nessas utilidades. Esses fatos, evidentemente, produziram consequências na vida prática, dando surgimento a conflitos de interesse até então inexistentes.
Geraram novas relações jurídicas, as quais passaram a exigir regulamentação a fim de preservar do equilíbrio social.
Isto demonstra que ao explorar as riquezas naturais o homem produz fatos que a lei  considera relevantes para proteção do direito.  Por essa razão, as relações jurídicas ambientais são encontradas entre as mais antigas civilizações.
Registros contam que na dinastia Chow (1122 AC-255 AC) havia uma recomendação imperial para a conservação de florestas. Em outras dinastias, que sucederam a de Chow, houve outros fatos de destaque como o reflorestamento de áreas desmatadas e a criação de estações experimentais.
LEI DAS XII TÁBUAS (450 A.C.)
Em outros povos da antiguidade encontramos, igualmente,  referências à proteção ambiental. No século IV AC, na Grécia, Platão lembrava o papel preponderante das florestas como reguladores do ciclo da água e defensoras dos solos contra a erosão. Em Roma, Cícero considerava inimigos do Estado os que abatiam as florestas da Macedônia. Nessas civilizações havia leis de proteção a natureza. A famosa Lei das XII Tábuas (450 AC), por exemplo, já continha disposições para prevenir a devastação das florestas.

IMPERADOR ASOKA
Sabe-se também, que o imperador hindu Asoka, em 242 AC,  promulgou decreto de proteção aos animais terrestres, peixes e florestas. O Gran Senhor Mongol Kublai Kan, citado por Marco Polo, proibia a caça durante o período de reprodução das aves e dos mamíferos.
Na  África  existem verdadeiros santuários da fauna, criados há séculos pelos reis locais. A floresta de Bialowieza, na Polônia, é a mais antiga reserva de fauna do mundo. Mais recentemente, na Europa, a devastação ambiental teve grande repercussão e fez surgir leis severas de preservação ecológica. 


KUBLIA KAN
No século XIII,  a escassez de madeira era tamanha, que em Douai, no norte da França, esse produto tornou-se tão caro que para enterrar seus mortos os pobres alugavam caixões, os quais eram devolvidos após a cerimônia fúnebre.
No início do século XIV esse fato fez surgir leis proibindo serrarias hidráulicas no Delfinado, e determinando a proteção de florestas dominiais na Inglaterra. Em 1669, na França, para combater a escassez de madeira, Colbert promulgou o famoso decreto das Águas e Florestas.

Johannes Eugenius Bülow Warming
 A ciência denominada ecologia só surgiu em 1895, através do professor Eugen Warming, que ensinava Botânica na Universidade de Copenhague. Antes disso, os problemas ecológicos pertenciam a “Economia da Natureza”, ciência que estudava tais assuntos. Por esse motivo, vamos verificar que todos os casos de depredação ambiental, estavam ligados à economia.





Fonte:Engenheiro Luiz Gonzaga de Freitas Filho -  luizgonzaga.filho@bol.com.br  Ribeirão Preto/SP
_____
Imagens:
http://www.wild-wonders.com/blog/?p=4057
http://es.wikipedia.org/wiki/Johannes_Eugenius_B%C3%BClow_Warming
http://en.wikipedia.org/wiki/Kublai_Khan
http://arspblica.blogspot.com.br/2011/05/lei-das-xii-tabuas.html

Postagens mais visitadas deste blog

Flores da Amazônia